Não tenho motivação


Existe um mito da motivação relacionado a motivação que precisamos quebrar: “Eu preciso gostar de fazer para que eu possa fazer”, mas você pode fazer coisas produtivas mesmo que não esteja motivada – mesmo que se sinta cansada, desanimada ou chateada e talvez a sua motivação venha depois. Podemos deixar de ser alguém cujo comportamento é “causado” pela “motivação” e tornar-se alguém cujo comportamento cria motivação – alguém que escolhe fazer o que precisa ser feito e que encontra motivação depois.


Esteja disposto a fazer o que você não quer fazer


Quando dizemos que não estamos motivados para fazer algo, estamos dizendo, na verdade: “Eu não quero fazer isso”. Podemos expressar isso de forma diferente, dizendo a nós mesmos: É muito difícil ou eu não estou pronto, mas o significado subjacente é o mesmo: nós não queremos fazer. E achamos que é impossível fazermos aquilo que não queremos. Mas não esqueça já fizemos muitas coisas no passado que não queríamos fazer? Como estudar para provas, ir ao trabalho, levar o lixo para a rua ou aguentar o comportamento de outra pessoa? A realidade é que você não tem de gostar de fazer algo para que possa fazê-lo. Você só precisa estar disposto a fazer. E isso é diferente de estar motivado, confortável ou pronto.


Melhorar em todas as áreas de nossas vidas envolve certa quantidade de desconforto.


Melhorar em todas as áreas de nossas vidas envolve certa quantidade de desconforto. Perder peso requer exercícios, tomar uma decisão requer o desconforto da incerteza. O desconforto é inevitável. A capacidade de fazer o que é desconfortável para atingir seus objetivos. Pense no desconforto como um meio para um fim. Ele é uma ferramenta. Apresentamos aqui alguns exercícios simples que você pode fazer para desenvolver a sua tolerância ao desconforto.

1. Pegue o exemplo de uma história de desconforto: Quais são algumas coisas que você fez que eram desconfortáveis, mas que fez mesmo assim?


2. Relacione desconforto com orgulho: Do que você sentiu orgulho? Teve algum desconforto envolvido?


3. Designe algum desconforto a si mesmo: Acompanhe coisas que você faz que são desconfortáveis. Veja se elas estão vinculadas a realizar coisas.


4. Reconheça que o desconforto é temporário: Todo desconforto é temporário. Ele não vai lhe matar. Na verdade, vai torná-lo mais forte. Os bailarinos dizem: “Foi um bom exercício. Doeu bastante”. Se você não está fazendo algo que seja desconfortável todos os dias, não está fazendo progresso. Você pode usar seu desconforto como um investimento – fazer o que precisa ser feito para obter o que realmente quer. Praticar o desconforto é como desenvolver um músculo mental. Isso é chamado de autodisciplina.


“Eu não deveria ter de fazer isso”


Outro bloqueio para fazer progresso são suas regras sobre o que você não deveria “ter” de fazer. Por exemplo, depois de acabar um relacionamento, você poderia pensar: Eu não deveria ter de passar por isso. Eu não deveria ter de ficar sozinho. Isso é difícil e frequentemente injusto. Algumas das piores coisas às vezes acontecem às melhores pessoas. E a injustiça parece se agravar quando você percebe que tem de lidar com o seu sofrimento realizando um trabalho extra.


Uma forma de encarar isso é perceber que você não tem opção em relação à situação. As únicas opções que você tem são (1) fazer algo para melhorar as coisas e (2) não fazer algo para melhorar as coisas. O que lhe aconteceu pode ser injusto – pode até mesmo ter sido traumático. Mas essa coisa terrível aconteceu antes de hoje.


Que tipo de pessoa você quer ser?


Quando atravessamos uma crise em nossas vidas, tendemos a nos concentrar na superação dos maus sentimentos que temos no momento. Isso é natural. Você quer ser o tipo de pessoa que espera que as coisas aconteçam ou o que faz as coisas acontecerem? Esperar para se sentir melhor significa que ficará passivo. Fazer o que precisa ser feito significa que realizará mais. Que tipo de pessoa você quer ser? Um “esperador” ou um “fazedor”?


Planejando o seu objetivo


Uma maneira é identificar algumas metas que quer atingir no curto prazo e no longo prazo. Você precisa refletir antecipadamente, pense sobre o que quer alcançar. Pergunte-se como realmente gostaria que fosse sua vida. Seja o mais específico que puder – “ir à academia duas vezes por semana” é mais útil do que uma declaração vaga do tipo “entrar em forma”.

Liste algumas das metas que quer alcançar amanhã

Liste algumas das metas que quer alcançar na próxima semana

Liste algumas das metas que quer alcançar no próximo mês

Liste algumas das metas que quer alcançar no próximo ano

Agora você tem um propósito todos os dias, semanas, meses e anos.


Uma forma de romper sua depressão é fazer o que você faz quando não está deprimido.


Aja como se não estivesse deprimido e assim poderá abrir caminho para sair da depressão,

O que você mais fazia quando estava menos deprimido? Anote algumas ideias que podem se tornar itens no seu cardápio: Quando você está deprimido, seu pessimismo o leva a acreditar que não importa o que você faça, será uma perda de tempo, mas a única maneira de descobrir o que a vida tem reservado para você é realizar um experimento para testar seu pessimismo.


A primeira pergunta a se fazer é: Quais são os custos de fazer isso e quais são os benefícios?

E a segunda: Por quanto tempo estou disposto a fazer isso antes que os benefícios se concretizem? Comecemos pelos custos e benefícios de fazer algo.


Falta de motivação é uma razão pela qual com frequência não tentamos algo é que queremos nos sentir melhor imediatamente. No entanto, os bons sentimentos que está almejando podem levar algum tempo para serem atingidos. Você deve se perguntar se está disposto a fazer coisas positivas com persistência – por algum período de tempo – para desenvolver o prazer e a eficácia que deseja. Os custos iniciais são: tolerar a dificuldade agora para tornar a vida mais fácil depois. Você pode ficar deitado e esperar que a motivação surja – ou pode identificar seus objetivos, investir em autodisciplina como um novo hábito que quer nutrir, comprometer-se com a escolha e ver se a motivação surge depois que você toma a atitude. A atividade cria novas realidades – nova energia, novas experiências, até novos amigos. E, à medida que avança e faz o que precisa fazer, você, esteja ou não motivado ou tenha vontade de fazê-lo, estará se recompensando todos os dias com elogios por fazer o que é difícil. Só você sabe o quão difícil foi superar a si mesmo


Base teórica e técnicas nos livros "Vença a depressão antes que ela vença você" do autor Robert L. Leahy e Depressão: Causas e tratamento de Aaron T. Beck, Brad A. Alford.

2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo