Boa forma de Pensar


Quando você ouve falar sobre a importância de estar em forma, você certamente pensa em boa forma física. Todos os dias somos bombardeados com mensagens enfatizando a importância de nos mantermos ativos e saudáveis. Mas, e quanto à boa forma mental?


De modo geral, sabemos o que é preciso para obter boa forma física: um programa de treinamento regular que mantenha nossos corpos fortes, ágeis e flexíveis. O mesmo vale para a mente. Podemos nos tornar psicológica e emocionalmente mais fortes adotando um programa de treinamento diário de um modo semelhante ao exercício físico regular.


Podemos reduzir o impacto prejudicial da ansiedade em nossas vidas exatamente como podemos combater o estilo de vida sedentário moderno. Uma boa forma mental é necessária para enfrentar os estresses, ansiedades e medos da vida contemporânea. Apesar de nossos diferentes temperamentos e vivências, a melhora na saúde mental e emocional não acontece acidentalmente.


Ela requer comprometimento com a mudança e a adoção de um programa de treinamento eficaz. Reserve espaço no seu dia para trabalhar em sua ansiedade.


Cada um de nós pode partir de pontos diferentes no caminho para a boa forma e a integridade psíquica. Por adversidades anteriores na vida, dificuldades de infância, história familiar, predisposições biológicas e outros fatores, algumas pessoas podem ter que se esforçar mais pela boa forma mental do que outras. Mas todos podem melhorar sua aptidão mental.


Dicas:


1. Arranje tempo para si.

Se acaso você começar a questionar se dispõe de tempo para fazer os exercícios, pare e considere quanto tempo você desperdiça por causa da ansiedade. Você já parou para calcular quanto tempo passa todos os dias preocupado, sentindo-se cansado por causa da insônia, estressado ou improdutivo por conta da evitação? Agora compare isso com a quantidade de tempo necessária para fazer os exercícios. Um investimento agora na redução de ansiedade causaria uma perda ou um ganho líquido de tempo e produtividade nos próximos meses?


2 Comece devagar e vá aumentando.

Você conhece o ditado “Roma não foi construída num só dia”. Isso certamente se aplica à terapia cognitiva para ansiedade. é importante não se sobrecarregar tentando fazer demais. É muito melhor começar com alguma coisa que cause apenas ansiedade leve ou moderada e depois ir gradativamente aumentando para situações de ansiedade mais intensas.


3. Mantenha um ritmo regular.

É melhor fazer um pouco todos os dias do que nada por alguns dias e depois fazer várias horas no fim de semana.


4. Mantenha registros escritos.

Nada pode substituir o registro de suas experiências. Registros escritos sãoimportantes porque eles ajudam a romper as respostas automáticas que compõem os episódios de ansiedade.


5. Identifique os pensamentos.

concentre-se em como você está pensando. Se você se sente ansioso, descreva os pensamentos de ameaça e perigo exagerado (i.e., pensamento catastrófico). Existem erros ou distorções em seu pensamento? Você está convencido de que está indefeso ou de que não pode suportar a ansiedade? Você está pensando em fugir ou recorrer a um falso senso de segurança? Tornar-se mais consciente de seu pensamento ansioso e aprender a corrigi-lo é uma estratégia importante para reduzir a ansiedade.


6. Seja paciente e não desista.

Quando a ansiedade está se formando e a mente ansiosa assume o controle, nosso instinto é fugir! Isso é perfeitamente compreensível, mas é importante continuar com o exercício. Não abandone a situação nem desista.


7. Comemore os êxitos e solucione obstáculos.

Muitas pessoas que iniciam um programa de terapia cognitiva observam melhoras imediatas em sua ansiedade. É importante reconhecer suas realizações e comemorar o progresso que você fez na superação da ansiedade. Afinal, foi você quem fez as mudanças e, portanto, precisa se incentivar. Ao mesmo tempo, espere reveses e decepções. Em vez de desistir, examine atentamente a razão pela qual a tarefa não deu certo. Assuma uma postura orientada ao problema e veja que mudanças você pode fazer para superar a tentativa fracassada.


8. Não lute contra a ansiedade; deixe-a fluir.

A ansiedade é como estar preso em uma rede; quanto mais você luta contra ela, mais se enreda. Observe se você está tentando controlar sua ansiedade quando está praticando seus exercícios, Lutar pelo controle só vai piorar sua ansiedade. Em vez disso, procure aceitar seu estado ansioso e permitir que a ansiedade diminua naturalmente .

Como com qualquer programa de boa forma, a prática diária na aplicação das estratégias cognitivas e comportamentais a suas situações de ansiedade vai determinar a eficácia do tratamento.

4 visualizações0 comentário